Monday, February 18, 2008

Universitárias e prostitutas

Mais um tema polémico lançado para o debate...ou não!
Muito se tem falado acerca disto em revistas, jornais e reportagens televisivas. Alguns de vocês até terão colegas/amigas nesta situação, mesmo sem o saberem.
Não vou falar muito para além do que já foi dito no Mundo Universitário. Apenas queria referir a minha opinião sobre este tema.
É lógico que estudar na universidade fica caro para qualquer um, independentemente do curso. São os transportes, os almoços, muitas vezes os jantares, em alguns casos o alojamento, e depois o material escolar, que se para alguns é composto apenas por sebentas e livros, para outros consiste em tintas, telas, esqueletos... Uns acabam por gastar mais do que outros, mas a coisa fica ela por ela. Há quem, infelizmente, tenha de arranjar um trabalho para pagar os estudos, e a coisa acaba por se resolver, embora seja complicado estudar e trabalhar em simultâneo, nalguns cursos. Para quem não quer/não tem tempo para ter um trabalho, pode agora fazer um empréstimo para estudantes, com juros muito baixos, e pagar quando terminar o curso! Sim, verdade, já não é só no resto da Europa; cá também já existe. Portanto, não me venham dizer que os estudos são muito caros e têm de se prostituir para os pagar. E que não encontram trabalho! Tretas! Gostam é de ganhar dinheiro fácil. E dizem que assim que acabarem de estudar, deixam essa vida. Tretas! É como alguém diz: se ganham 200 € num dia, como é que com um mestrado vão contentar-se com uns míseros 800 € ao fim do mês? Ah, pois é... Não me venham dizer que uma rapariga que não consegue pagar os estudos (coitadita) aluga duas casas. E mais, as tais raparigas que foram entrevistadas, ainda dizem que têm namorados (coitadinhos dos cornudos), e que eles não desconfiam de nada, e elas nem sequer se sentem mal com o que fazem, porque dizem que é como outro trabalho qualquer... Fora os pais, que julgam as suas filhas a estudar fora e a esforçar-se para terem um curso, quando gostam é de andar nesta vida. Enfim, são umas tristes. Não têm respeito por elas próprias, podiam lá tê-lo pelos pais ou namorados... E os que recorrem a este tipo de serviços (que se frise, ilegais) também são uns tristes. Tenho pena desta gente que não tem nada na cabeça, mas é a realidade do nosso país.
Aloha

5 comments:

Anonymous said...

lol olha.. o k eu gostei mais foi da parte "são é umas grds putas" c k iniciaste o teu comentário...:p
Além disso.. axo k tens razao.. principalmente na parte do "deixar a vida" pk se agr tao habituadas a ter mto n vao deixar pelo ordenado mísero ou até.. atrevo-me a dizer.. inexistente ja k n to a ver grd futuro profissional em psicologia, cursos de teatro e afins... Ana Sofia

Ana said...

yah é mesmo! essa dos cursos de teatro... deve ser um curso ke reker mto invesimento em material AHAHAH
enfim, sou má, mas axo ke tnh razão!

mike said...

oh ana..francamente..tu habituas o pessoal a posts cómicos, interessantes, instrutivos (cm o anterior sobre fundue de choco) e agora fazes um post sobre prostis ?!?axo mal :p agora a sério se querias falar sobre prostitutas e universidade podias ter falado sobre uma realidade que nos é bastante familiar.. estou-me a referir às mininas que frequentam o ist à noite. isso sim dava um belo post :p

Ana said...

Miguel, n kis falar em nenhumas em particular; kis falar de um modo geral... Eu sei ke o post d instrutivo n teve nd, mas foi um desabafo, uma opinião...

;)

Carla said...

Já tinha lido no ano passado um artigo sobre este tema. Concordo plenamente contigo. A ganhar o que ganham não vão deixar essa vida...

bjs, bom fim de semana!